Este 62-year-old pode embalar um soco puro, o novo indiano drogas artrite expressa para cães

BENGALURU: A luz do entardecer entra pelas janelas na Academia de Defesa Pessoal de Sumita, na Wikipedia sobre artrite reumatóide de Bannerghatta, onde o capitão Kaustav Nath e Sumita Nath estão cercados por quatro estudantes, todos com idades entre nove e 13 anos. Seu quinto aluno – e é difícil acreditar até que ela use seu uniforme de karatê – é o Dr. Mridula Chauhan (62), que fez essas aulas de karatê apenas seis meses atrás.

Ela parece frágil, mais ainda no terno branco solto (judogi) que ela está usando. Kaustav pede aos quatro pré-adolescentes para se juntarem para um combate, deixando Chauhan e Sumita para duelar um contra o outro. Eles se curvam, dizendo “Osu” (pronuncia-se Oush; usado como um termo de respeito) e a luta começa. Os movimentos de Sumita são lentos, quase como se ela estivesse se esforçando para não usar artrite, o que significa, em hindi, muita força contra Chauhan, que, por outro lado, se move rapidamente.

Seus membros não parecem mais delicados e ela segura a marcha com firmeza, arrumando socos com o máximo de força que consegue, os olhos focados em seu oponente, uma sugestão de um sorriso sereno fazendo seu caminho com tanta frequência.

Uma vez que o significado desta artrose é feito, ela segue em frente com sua prática para vestir luvas de boxe e chegar aos sacos de pancada. Eles mal se movem uma polegada, mas, segundo Kaustav, ainda é uma melhoria em relação a agosto do ano passado. Pergunte a Chauhan o que a levou a aprender o karatê Kyokushin Kai Kan, e ela encolhe os ombros ao dizer: “Porque eu posso. E eu tenho o tempo agora.

Uma cientista da Terra com a Geological Survey of India (e a artrite da mão 10 a quarta mulher a ser assim), Chauhan se aposentou de seu trabalho em dezembro de 2017, para repentinamente ter muito mais tempo em suas mãos. “Foi meu primeiro e último emprego, estive com eles por 35 anos”, diz ela. Sua principal razão para tomar essas aulas de luvas de artrite de mãos de cobre era poder se proteger se ela fosse apanhada em algum incidente desagradável. “Eu sempre fui frágil. Eu tenho 40 kg agora e o peso máximo que eu já tenho é 44 kg. Não quero que ninguém aproveite ou me direcione em uma situação indesejada ”, explica ela.

Chauhan se formou na faculdade em 1978, mas a fase de exame de sua vida está longe de ajudar a artrite rimadyl acabou. O sexagenário recentemente fez seu exame para avançar para o próximo nível. Ela não achava que ela estaria progredindo nos níveis dentro de meio ano, mas estar nervosa não é o estilo dela. Quando questionada sobre sua confiança em passar, ela sorri com as mãos de osteoartrite, como a classe que já sabe quais poderiam ser os resultados.

Ela não era a única que estava otimista sobre o exame também. Enquanto ela pode ser o membro mais antigo que os Naths estão ensinando, ela também é a mais aguçada deles. “Quando eu lhe ensino um novo movimento ou chute, ela leva cinco minutos para compreendê-lo. A mesma coisa poderia levar um novo jornal de reumatismo e artrite de estudantes mais jovens por volta de três dias ”, diz Kaustav.

O dia de Chauhan começa às 6 da manhã, quando ela caminha por seu bairro por 15 minutos (durante os quais ela também desliga os interruptores de 40 lâmpadas de iluminação pública na área) e passa o resto do dia com o marido, a irmã e a mãe. Apesar de sua aula de karatê ser marcada para as terças e quintas-feiras, ela está quase toda dia artrite da órbita ocular para praticar com Sumita, e atribui isso ao seu golpe de sorte que a fragilidade óssea ou artrite não a afetou tanto quanto seus companheiros da mesma idade. O impacto de um tapinha nas costas dela dura mais do que o esperado e é suficiente para provar que as aulas estão definitivamente ajudando o sexagenário a ficar em forma.

Sua família tem sido encorajadora, mas mais importante, menos interferente. Ela diz: “Eu vivo minha vida nos meus termos. Se alguém demonstrasse alguma preocupação quanto a me machucar, eu diria a eles que o alívio da dor no joelho para osteoartrite seria minha dor e lesões para cuidar. Quando eu disse ao meu marido, ele apenas me pediu para ficar longe de tentar qualquer movimento de karatê sobre ele ”, diz ela com uma risada.