Ficando pessoal matt buchi news-gazette.com artrite no polegar sintomas comuns

Eu cresci em Clarkston, Michigan, uma pequena cidade a uma hora ao norte de Detroit. Eu fui ferido em um acidente de carro quando eu tinha 9 anos de idade em férias de verão com minha família na Carolina do Norte. Era um veículo mais antigo que não tinha cintos de segurança nos assentos de trás. A colisão frontal me fez dobrar ao meio é artrite reumatóide curável em homeopatia e quebrar as últimas três vértebras na minha espinha e me paralisou da cintura para baixo.

Depois de seis meses no hospital na Carolina do Norte, fui transferido para um hospital infantil em Detroit e pouco depois fui apresentado à minha comunidade e sistema escolar em Clarkston. Um jovem que nasceu com uma deficiência e morava perto de mim ouviu que eu estava de volta e perguntou se eu gostaria de ir para um treino de basquete em cadeira de rodas.

Havia uma equipe do clube recém-formada em Sterling Heights e estava a cerca de 45 minutos de carro para praticar. Nós levamos a unidade lá, e assim que eu vi duas crianças em cadeiras empurrar e joelho direito artrite icd 10 colidem uns aos outros, eu estava viciado. Eu joguei ao longo do ensino fundamental e médio, ganhando o Campeonato Nacional Junior da NWBA no meu primeiro e último ano do ensino médio. Eu também participei de acampamentos de verão em várias faculdades, mas sempre em Illinois. Fui recrutado para jogar em Illinois, e depois de lutar uma divisão muito competitiva por vários anos, nossa equipe venceu meu último ano em 2008.

Quando criança, antes de minha lesão, não estava envolvido em nenhum esporte coletivo. Meu tempo era gasto principalmente com amigos no bairro andando de bicicleta, subindo em árvores e fazendo travessuras. Uma vez que voltei para casa após o acidente, vi o basquete em cadeira de rodas como uma ótima alternativa para participar de fisioterapia que era principalmente focada em fazer com que eu andasse com aparelho ortodôntico. Eu estava pés artrite psoriática não está interessado em andar com aparelhos pesados ​​e equipamentos; foi muito mais fácil e rápido na cadeira. Depois de ser aceito em Illinois e jogar no Coach Frogley, eu sabia que tinha interesse em ensinar, mas não sabia o que queria ensinar. Uma vez que descobri que eu poderia ensinar basquete em cadeira de rodas como treinador, ficou muito confortável e emocionante para mim. Quando eu treino, eu vejo isso como um quebra-cabeça de comunicação: eu tenho que descobrir como me comunicar com cada atleta em um nível que eles entendam e se conectem para fazer ajustes para sua melhoria. Cada dia vem com novos desafios e oportunidades para crescer, tanto o atleta quanto a mim mesmo.

Você sempre tem alguns líderes que podem ajudar a ecoar as palavras e frases que usamos, mas com uma equipe jovem, pode haver grandes áreas de artrite que a maioria delas não entende, e nenhuma delas quer ser a única. Ninguém pode dizer que eles não sabem. O próximo passo é construir a confiança que ajuda a ser vulnerável de não saber. Trabalhamos em exercícios de formação de equipes que os desafiam e dão a eles oportunidades de falhar em um ambiente seguro, para que possam aprender com seus erros. Por último, seria construir confiança. A maioria de nossos atletas nessa idade e geração são realmente bons e parecem confiantes porque cresceram em uma geração de mídia social que faz você parecer que a definição de artrose está vivendo sua melhor vida. Eu trabalho em fazer um relacionamento de coaching que permite ao atleta se abrir para mim e seus colegas de equipe sobre medos, sonhos ou experiências que possam afetar seu futuro.

A maior parte da minha vida é dedicada ao meu trabalho como coach. Eu atualmente sou duas classes longe de terminar o meu mestrado em Recreação, Esportes e Turismo. Quando estou em casa e tenho algum tempo livre, gosto de construir coisas. Alguns anos atrás, eu estava sentindo a pressão do trabalho e precisava de uma saída, então eu procurei por hobbies para pegar. Eu sou alguém que se eu vou fazer algo, deve ser com um propósito, e deve ajudar alguém. Quando jovem, tanto antes como depois da minha lesão, lembro-me de ter construído coisas com o meu avô, que é um contratante incrível, eletricista e um cara em geral. Ele e eu construiríamos pequenos projetos de madeira e os dariam para os membros da família. O trabalho em madeira é uma saída divertida e criativa para eu construir algo que alguém precisa ou seria útil. Eu construí caixas de plantador de cedro para o nosso escritório, para que pessoas com deficiências possam plantar vegetais em nosso pátio e, mais recentemente, eu construí sintomas de artrite na região lombar e nos quadris. "rampas para cachorros" para um dachshund envelhecido que tem um quadril ruim e não pode subir os degraus. Eu gosto de descobrir como fazer isso, o cheiro da madeira recém cortada e os sorrisos que recebo quando alguém tem algo que eu fiz.

Eu não sou muito de um leitor de livros, mas os grilos têm artrite quando eu viajo, eu amo ouvir livros de áudio e fazer anotações sobre coisas que me inspiram. Eu participei de algumas clínicas de basquete com uma organização chamada Point Guard College, e eles têm muitos ótimos treinadores que recomendaram uma longa lista de livros. Atualmente estou ouvindo "Grit" por Angela Duckworth e "A velocidade da confiança" por Stephen M. R. Covey.

Eu tenho muita sorte de poder viajar pelo mundo ensinando basquete em cadeira de rodas. Nos meus primeiros anos de coaching, viajei cinco vezes para Tóquio, no Japão; Eu também fui a Niamey, Níger, África e Jerusalém, Israel, para citar apenas alguns. Eu sempre quis viajar para a África do Sul para experimentar a natureza da artrite reumatóide ultra-som e história da terra e talvez voltar para a Austrália para experimentá-lo mais como um turista porque eu só fui como um atleta, que acaba sendo hotel para ginásio e de volta ao hotel.

O egoísmo seria a maior coisa para mim. Eu sempre penso nos outros porque sou um produto da criação da minha mãe. Ela sempre se sacrifica pelos outros e gosta de fazer os outros felizes, então eu fiz o mesmo. Eu tento pressionar o mesmo cuidado e preocupação com os outros em meus atletas, para que eles possam pensar em como ajudar aqueles que os rodeiam antes de si mesmos.

Não tenho certeza se sou sábio o bastante para ter conselhos para dar aos outros ainda, mas alguns conselhos que a osteoartrite deixou no colo foram recebidos de um amigo e colega de basquete em cadeira de rodas, sobre recrutamento. Estamos sempre tentando encontrar os melhores atletas para nos dar a melhor chance de ganhar, mas ele compartilhou comigo que quando ele era um jovem treinador, ele recrutava apenas talento e o que ele recebia eram problemas de caráter. Assim que ele fez do personagem sua prioridade, ele teve problemas que ele poderia resolver. Penso nisso toda vez que converso com atletas em potencial ou penso em algo com o qual nossa equipe atual está passando. Não importa o que seja, eu sei que tenho um grande grupo de caras que sempre representarão bem o nosso programa.

Depois de sair de Illinois, mudei-me para o Alabama para assumir o cargo de treinador principal do time de basquete para cadeira de rodas feminino do Alabama. A atmosfera e o sistema não eram algo com que eu concordasse, e depois de estar lá por um ano, fazendo a transição como treinador interino, tive a oportunidade de usar o remédio ayurvédico para artrite no joelho para permanecer como técnico associado sob a mesma liderança. Tive a decisão de me comprometer com mais tempo para uma vaga na faculdade que queria ou abrir mão do desconhecido. Eu decidi manter meus padrões de coaching e saí para uma oportunidade diferente de coaching. Acabei mudando-me para Vancouver, no Canadá, para treinar por um curto período de tempo, depois para Stillwater, Oklahoma, na Oklahoma State University. Eu estava em outra encruzilhada quando o programa da OSU estava afundando, e a posição de treinador de Illinois se abriu. Eu arrisquei e fui contratado em Illinois. Eu sempre estive procurando algo para chegar perto do que está aqui em Illinois e nada realmente compara isso. Agradeço todos os dias que eu acordo, pratico e faço artrite reumatóide para fazer o que eu amo fazer aqui em Champaign.

Você nunca pode viver em arrependimento. Tudo e toda decisão é feita por um motivo. Eu vivo com a mentalidade de que eu trabalho para me fazer o melhor que posso em tantas áreas quanto possível, então quando a vida lhe apresenta oportunidade, você tem a chance de fazer algo com ela. Eu já fiz e experimentei muito até agora, e estou apenas ansioso para o que mais a vida tem para mim.