Gideon vs. papel termo wainwright (1846 palavras) artropatia do manguito rotador icd 10

Os ensaios gratuitos fornecidos em nosso site foram doados por usuários anônimos e não devem ser vistos como amostras de nosso serviço de escrita personalizada. Você está convidado a usá-los para se inspirar para escrever seu próprio trabalho. Se você precisar de um trabalho de termo personalizado relacionado ao assunto de Ética e Direito ou Gideon vs. Wainwright, você pode contratar um redator profissional aqui em apenas alguns cliques.

Clique aqui para artigos de pesquisa on-line! Lei Gideon vs. Wainwright Os autores formaram este país com um único documento, a Constituição, que eles escreveram com grande sabedoria e visão. Essa sabedoria generosa surgiu do tratamento injusto do rei George, ao qual os colonos estavam sujeitos. Entre essas violações dos direitos dos colonos havia julgamentos injustos que ridicularizavam a justiça.

Como resultado, um julgamento justo do acusado era um direito dado aos cidadãos, juntamente com outras ações que os fundadores instilaram em todas as outras facetas do governo do país. Estas garantias dos direitos dos cidadãos declarados na declaração de direitos. Na Sexta Emenda, afirma-se que, "Em todos os processos criminais, o acusado gozará do direito … de receber a assistência do Conselho para sua defesa." Uma primeira leitura desta frase pode-se pensar que este direito, o que dá a uma pessoa acusada de um crime ter advogados para sua defesa, é de conhecimento comum que está entre os direitos mais básicos dados aos cidadãos do público. No entanto, a maneira simples pela qual essa emenda é formulada cria "cinza é artrite uma área de deficiência no Reino Unido"e sujeito a interpretação em diferentes circunstâncias. A legitimidade do direito de montar uma defesa legal é ainda mais obscurecida pela Décima Quarta Emenda que declara, "Nenhum Estado fará ou aplicará qualquer lei que abrevie os privilégios ou imunidades dos cidadãos dos Estados Unidos." Como resultado, muitas questões começam a surgir, que buscam determinar o verdadeiro direito do acusado à assistência do advogado. O conselho legal deve ser fornecido pelo governo se o acusado não tiver fundos para montar um advogado para sua defesa? Ou, por outro lado, essa emenda impõe a responsabilidade de reunir um advogado defensor sobre o acusado, mesmo que ele não tenha fundos para isso? Além disso, os estados têm o direito de fazer sua própria legislação sobre o direito do indigente acusado de ter um advogado nomeado para ele nos julgamentos estaduais, ou a Décima Quarta Emenda a impede? A Suprema Corte foi confrontada com a resposta a essas perguntas no caso de Gideon vs. Wainwright. Em junho de 1961, Clarence Earl Gideon, um pequeno ladrão, vagabundo e jogador de cinquenta anos que passara boa parte de sua vida na artrite e tirando fotos da prisão, foi preso em Panama City, na Flórida. Ele foi acusado de invadir uma sala de bilhar uma noite em um esforço para roubar cerveja, Coca-Cola e moedas de uma máquina de cigarro (Goodman 62). Desde o início, Gideon insistiu que ele era inocente. Seu julgamento começou em um tribunal da Flórida em agosto daquele ano. Gideon informou ao juiz que não estava preparado para o julgamento porque não havia reunido um advogado em sua defesa. Ele então solicitou que o tribunal nomeasse um advogado para representá-lo (Goodman 62). O juiz respondeu com a seguinte declaração: Sr. Gideon, sinto muito, mas não posso nomear um advogado para representá-lo neste caso. Sob as leis do Estado da Flórida, a única ocasião em que a Corte pode nomear um advogado para representar um réu é quando essa pessoa é acusada de uma ofensa de capital. Desculpe, mas terei que negar seu pedido para nomear um advogado para defendê-lo neste caso" (372, U.S. 335) O julgamento continuou, e Gideão dirigiu sua defesa; mas seus esforços eram uma base fútil de artrite, como se poderia esperar de um homem comum sem educação ou experiência jurídica. O júri condenou-o das acusações criminosas e deu a Gideon a sentença máxima de cinco anos (Goodman 62). Na época do julgamento de Gideon no tribunal da Flórida, o direito a aconselhamento legal assegurado pela Sexta Emenda só era aplicável a casos federais, e os estados tinham o direito de lidar com a questão da nomeação de assessor jurídico para a defesa em casos estaduais em sua jurisdição. discrição (Asch, 135). Esta prática foi um efeito do resultado do Supremo Tribunal dos Estados Unidos é artrite caso hereditário de Betts v. Brady decidiu em 1942. Neste caso, um trabalhador agrícola desempregado em Maryland chamado Smith Betts foi acusado de roubo solicitou que o tribunal nomear conselho para sua defesa. O juiz negou este pedido com base no fato de que naquele município não era prática naquele condado que o tribunal designasse um advogado para réus pobres apenas em casos de capital. Como Gideon, Betts conduziu sua própria defesa e foi condenado e sentenciado a oito anos de prisão. Betts enviou um apelo ao Supremo Tribunal, mas o Tribunal decidiu contra Betts porque, a opinião do tribunal foi "na grande maioria dos estados, foi considerado o julgamento do povo, seus representantes e seus tribunais que a nomeação de um advogado não é um direito fundamental, essencial para um julgamento justo." (Goodman 64). Com o precedente estabelecido pela decisão de Brady vs. Betts, a recusa da nomeação de advogado pelo tribunal de primeira instância no caso de Gideon foi emitida com justa razão. Embora muitos estados e o governo federal tenham permitido a nomeação de advogados para réus empobrecidos, a Flórida, assim como muitos outros estados do sul, não o fizeram (Goodman 62). O único caso em que o advogado poderia ser designado para os réus sob as injeções de gel da lei da Flórida para artrite era em casos capitais e, portanto, a razão para a negação do pedido de Gideon para o Conselho (Asch 135). Em busca de um recurso, Gideon estudou livros de direito enquanto cumpria sua pena na prisão estadual. Gideon entrou com uma petição de habeus corpus na Suprema Corte da Flórida. Esta petição buscou invalidar sua condenação e sentença com base no argumento de que a recusa do tribunal em nomear um advogado lhe negou os direitos enumerados na Constituição dos Estados Unidos e no governo federal. Após a artrite degenerativa na consideração da região lombar da Suprema Corte da Flórida, mas sem uma opinião, a petição de Gideon por habeus corpus foi negada (372, U.S. 335). Depois que a Suprema Corte da Flórida decidiu contra a petição de Gideon por habeus corpus, Gideon apelou para a Suprema Corte dos Estados Unidos em forma pauperis, o que significa que se o caso for aprovado, o governo forneceria um advogado e todas as outras despesas para o caso. consideração de seu caso no Supremo Tribunal Federal (Wilson 431). O Supremo Tribunal escolheu o caso a ser considerado. Gideon apresentou seu caso perante a Suprema Corte em janeiro de 1963. A base do argumento era que era inconstitucional para os estados criarem sua própria legislação estadual que decide as circunstâncias sob as quais o tribunal nomeia um advogado para a defesa, e que sua Sexta Emenda. o direito ao advogado foi violado. Gideon argumentou que estes pedaços de legislação estadual são ilegais com o fundamento de que eles abreviam o direito de ter a assistência do advogado de defesa que é dada pela Sexta Emenda. Este argumento foi fortemente apoiado pela Décima Quarta Emenda, que afirma "Nenhum Estado fará ou aplicará qualquer lei que abrevie os privilégios ou imunidades dos cidadãos dos Estados Unidos …" Estes argumentos foram considerados perante o tribunal em uma tentativa de artrite em dedos nhs para ganhar um recurso, um novo julgamento justo para Gideon (372 EUA 335). A decisão da Suprema Corte foi tomada em março. Todos os nove juízes concluíram para reverter a condenação de Gideon, alegando que ele foi negado o devido processo devido à negação da nomeação de um advogado para sua defesa (372, U.S. 335). A decisão unânime foi proferida pelo juiz Black, que escreveu: … No nosso sistema adversário de justiça criminal, qualquer pessoa aclamada pelo tribunal, que é muito pobre para contratar um advogado, não pode ter um julgamento justo a menos que lhe seja fornecido um advogado. . Isto parece-nos ser uma verdade óbvia. Os governos, estaduais e federais, gastam bastante dinheiro para criar maquinaria para julgar réus acusados ​​de crimes. Os advogados para processar em todos os lugares são considerados essenciais para proteger o interesse do público em uma sociedade ordenada. Da mesma forma, há poucos réus acusados ​​de crime, poucos, na verdade, que não conseguem contratar os melhores advogados que podem artrose wiki começar a preparar e apresentar sua defesa. O governo contrata advogados para processar e os réus que têm dinheiro para contratar advogados para defender são as indicações mais fortes da crença generalizada de que advogados em tribunais criminais são necessidades, não luxos. O direito de alguém acusado de crime não pode ser considerado fundamental e essencial para julgamentos justos em alguns países, mas é no nosso. Desde o início, as nossas constituições e leis estaduais e nacionais deram grande ênfase a salvaguardas processuais e substantivas destinadas a assegurar julgamentos justos perante tribunais imparciais nos quais todos os réus são iguais perante a lei. Este nobre ideal não pode ser realizado se o pobre homem acusado de tratamento da artrite patelofemoral com crime tiver que enfrentar seus acusadores sem um advogado para ajudá-lo (372, U.S. 335). Esta decisão significou que Gideon recebeu um novo julgamento. Um julgamento em que ele teve representação equitativa por um advogado competente. No julgamento de Gideon, seu advogado nomeado pelo tribunal cumpriu suas obrigações com tal excelência que Gideão foi absolvido. Essa decisão teve muitas implicações profundas. Para começar, todas as centenas de outros prisioneiros que haviam sido condenados sem o auxílio de um advogado de defesa conseguiram sua libertação nas prisões da Flórida, assim como as prisões de outros estados (Goodman 66). Isso pode ser desconcertante porque alguns desses prisioneiros podem ter sido culpados de seus crimes ou endurecidos pela prisão, e esses prisioneiros estão sendo libertados casualmente para a sociedade. O Estado da Flórida deveria ter tentado novamente esses prisioneiros em vez de libertá-los. No entanto, o processo de novo julgamento levanta outra questão – se um prisioneiro teve um julgamento, mas lhe foi negado aconselhamento legal, isso viola a seção da Quinta Emenda.