Ginkgo biloba – informação; por que é recomendado alívio da dor no ombro artrite reumatóide

A artrite por ginkgo biloba em pernas de cães tem sido testada duplamente cego muitas vezes por sua capacidade de aumentar o conteúdo de oxigênio para o cérebro e outros tecidos corporais. Tem sido demonstrado que promove clareza mental e concentração, aumenta o estado de alerta e a memória de curto prazo e tem sido usado preventivamente em compostos regenerativos para perda de memória e senilidade, em formas de proteção cardíaca artrose vs artrite contra acidente vascular cerebral e aterosclerose e transtornos da audição e vertigem (tonturas), onde o fluxo sanguíneo é pobre nos ouvidos. Também oferece uma ação protetora significativa contra o desenvolvimento da doença de Alzheimer, perda de audição e derrames, e protege as paredes arteriais.

O ingrediente ativo mais estudado é o Ginkgolide-B, um dos constituintes da lactona do terpeno.

O Ginkgolide-B é um conhecido inibidor do Fator de Ativação de Plaquetas (PAF), que é responsável pela agregação plaquetária, asma induzida por PAF e vários processos inflamatórios e pró-oxidativos. Ao bloquear o PAF, o GBE tem um efeito sobre a circulação periférica geral, que é especialmente icd 10 para a artrite reumatóide não especificada observada no aumento da circulação cerebral. Esta circulação cerebral aumentada, quando combinada com a capacidade do PAF de "recarrega" As células nervosas (via aumento da atividade de Na + -K + ATPase) e os flavonóides que bloqueiam o centro de artrite de orlando, a peroxidação lipídica ao longo da bainha de mielina, deram à GBE um foco bem merecido na pesquisa da função cerebral.

O ginkgo tem sido usado com sucesso contra a doença de Raynaud, condições de varizes, síndromes de demência, vertigens e zumbidos de origem vascular, oclusão arterial periférica, agregação plaquetária, artrite reumatóide, que significa urdu e claudicação intermitente. O ginkgo também está sendo investigado para seu uso imediatamente após o derrame, na asma, na disfunção sexual e nos transtornos depressivos.

Um estudo duplo-cego realizado na Faculdade de Medicina Albert Einstein, em Nova York, revelou que o Ginkgo Biloba era seguro e capaz de estabilizar e melhorar o raciocínio e o funcionamento social de pacientes com "perda leve de memória". [Jornal da Associação Médica Americana, 22/29 de outubro de 1997, Volume 278, 16 de novembro] Mesmo em pessoas com artrite, a dor nas costas não tem uma doença demencial, parece aumentar o ombro da artrose da memória e realmente melhorar o QI. Pode levar vários meses para a erva mostrar um efeito e na maioria das vezes o efeito é uma melhora sutil.

Efeitos clínicos positivos foram observados com memória de curto prazo, zumbido (zumbido no ouvido), vertigem, concentração, retardando o início dos sintomas de Alzheimer, claudicação intermitente, impotência, enxaquecas, alergias e asma. A maioria desses estudos foi realizada com 120mg de nódulo de artrite reumatóide nas mãos diariamente, do extrato padronizado de 24% -6%. O GBE foi relatado em pelo menos 10 artigos científicos diferentes, protegendo os olhos dos danos que levam à degeneração macular, uma das principais causas de cegueira. Muitos desses estudos têm sido como parar a artrite nos dedos compilados em vários volumes que estão disponíveis através do American Botanical Council. A Comissão Alemã E tem "Aprovado" o extrato padronizado de folhas de ginkgo para funções cerebrais (memória etc), claudicação intermitente e vertigem / zumbido; embora as preparações de extrato de folhas sejam "Desaprovado" para o mesmo. Instruções

A dose diária típica de ginkgo biloba para síndromes de demência é de 120 a 240 mg de um extrato padronizado. As doses mais altas são geralmente necessárias para distúrbios cerebrais. Uma titulação sugerida para a demência de Alzheimer seria 60mg duas vezes por 6 semanas, aumentando então a dose diária total em 40 a 60mg a cada 8 semanas se as melhorias não forem visíveis.