Ido em artrite autismo significa em kannada

Há uma necessidade imensa de que os profissionais aprendam sobre o autismo daqueles que o vivenciam e possam descrevê-lo em palavras faceta artrose 10. Eu estou me referindo ao typer não falante que tenta explicar o autismo de dentro para fora. Agora existem alguns de nós e o número está crescendo. Nossas mensagens são sempre as mesmas. Mente intacta / corpo desobediente. Cabeça inteligente / corpo mudo. Pensando mente / sistema motor não-pensamento. Não falar não é o mesmo que não pensar.

Nos seis anos desde que meu primeiro livro, Ido in Autismland, foi publicado, apenas um pesquisador me contatou para aprender sobre autismo comigo. Isso é meio patético, se você pensar sobre isso. Eu gostaria de ajudar os remédios naturais para a artrite a orientar suas pesquisas com base nos meus sintomas reais para ajudar a melhorar os tratamentos e as teorias.




Um céptico justo e um pensador científico inquiridor pode reservar um tempo para encontrar um especialista em proficiência, para fazer perguntas, para aprender sobre a sua jornada para aumentar a fluência. Mas eles não, por algum motivo.

Na resposta da ASHA ao meu editorial, eles dizem que precisam testar provas antes que possam considerar a possibilidade de que a RPM possa ter alguma validade. Isso me intriga por algumas razões. Há uma necessidade de validar reivindicações e acho que todos reconhecemos isso, mas há mais de uma maneira de obter dados. Dados observacionais e estudos longitudinais, incluindo filmes, seriam um caminho. Outro seria estudos bem desenhados que fatoram as questões motoras e de ansiedade que as pessoas são artrite uma deficiência sob segurança social com autismo descrever. Sem isso, há uma chance significativa de um estudo mal projetado produzir resultados distorcidos ou incorretos.

Houve estudos e revisões internas nos chamados tratamentos de autismo baseados em evidências, como ABA e terapia da fala, a respeito de porque um número significativo de pessoas não falantes esforçam-se para progredir usando esses métodos baseados em evidências? É muito fácil dizer que o progresso não ocorre porque a pessoa tem um “baixo funcionamento”. Se esse for o caso, não é preciso dez anos de tratamento dispendioso para descobrir. Por outro lado, alguns dos chamados “fracassos” de tratamentos baseados em evidências tornam-se sucessos, como eu fiz, quando o tratamento resolve adequadamente os problemas motores que impedem o desempenho.

O RPM também usa prompts. Nenhuma surpresa realmente. A sigla significa Rapid Prompting knee arthritis mri Method. Mas as instruções não consistem em dirigir alguém. As pessoas estão movendo seu próprio braço de forma independente. As instruções são procurar, digitalizar uma série de letras, chegar longe o suficiente, ajudar alguém a aliviar a dor no joelho, a artrite reumatoide, a precisão motora e sincronizar as mãos e os olhos para fins de comunicação. Iniciantes recebem muitos prompts. As pessoas fluentes recebem poucas e, na maioria das vezes, apenas digitam, embora alguém possa dizer “continue”, ou alguém pode manter uma pauta firme. À medida que as habilidades melhoram, as solicitações diminuem. Por que os avisos são aceitáveis ​​em todos os tratamentos para o autismo, exceto tocar as letras para fins de comunicação? É ilógico. E tudo isso devido a esse problema:

Existem duas filosofias que guiam grande parte das teorias e da educação do autismo. Em um, não há presunção de competência. Em vez disso, o indivíduo não falante está determinado a ter baixo funcionamento intelectual e não processar corretamente a fala humana, exigindo assim lições simplificadas e perfurações constantes. Essa é a teoria predominante.

No outro, há uma presunção de competência – isto é, uma mente intacta pode estar enterrada atrás de um sistema motor desorganizado, causada por fatores neurológicos. Portanto, se a pessoa com artrite não especificada for ensinada a se mover adequadamente para apontar e soletrar palavras, essa pessoa poderá aprender a expressar pensamentos e, potencialmente, obter uma educação mais normal. Muitos, antes considerados casos sem esperança, provaram que, como os livros, eles não deveriam ser julgados inteiramente pela capa.

Isso tem sido verdade para mim e para muitos, muitos outros. É por isso que escrevi meu editorial, meu blog e meus livros. Os profissionais que insistem em que falam pela ciência muitas vezes ignoram as evidências que podem interferir em suas teorias, mas os fatos acabarão. Há uma dieta de artrose cada vez mais datilografada a cada dia, e uma vez que alguém tem uma voz, ele ou ela quer falar.

Anthony gostava de ir ao oceano. Ele amava a água fria em seu corpo quente. Ele amava a areia quente fazendo cócegas em seus pés descalços. Ele amava os prazeres sensoriais da brisa do oceano em sua pele, as ondas brancas quebrando e as aves marinhas correndo atrás das ondas. Ele gostava de encontrar algas marinhas que desembocavam em terra e pisavam nas bolhas de ar. Algas marinhas eram sedutoras. Ele rodou e seguiu Anthony em padrões fascinantes. Juntando tudo, o oceano foi uma corrida enorme, emocionando todos os sentidos, até mesmo o gosto.

“Anthony, tire as algas da sua boca!”, Gritou sua mãe. Os três garotos estavam brincando na areia. Mark preparara um longo caminho para afunilar a maré. Little Gary brincou com seus brinquedos de dor nas costas, tentando construir uma torre de areia. E Anthony, que havia resistido a todas as tentativas de fazê-lo fazer seu próprio túnel ou torre, estava sentado perto correndo areia através de seus dedos e amando a sensação. Ele olhou, hipnotizado com a visão da areia caindo em colunas caindo para a areia em seus pés joelho osteoartrite cinta opiniões. Ele teve que prová-lo. O desejo era esmagador. Ah não, não de novo. O pai de Anthony deu um pulo.

“Não, não!” Ele trouxe uma toalha e limpou a língua de Anthony. As pessoas mais próximas da família de Anthony estavam olhando. “Dê-lhe um pouco de água”, seu pai gritou para a mãe de Anthony. “Eu não posso pegar tudo.” Então ele olhou severamente para seu filho. “Não coma areia, Anthony”, disse ele em inglês quebrado. “Nada mal. Mau.”

Parte de Anthony queria comer mais areia apenas artrite reumatóide que significa em hindi porque ele odiava tanto falar de bebê. Compulsões eram difíceis de suportar. Eles eram como um corpo ordenando uma mente. Não era como se Anthony gostasse de uma boca cheia de areia. Era sujo e sabor salgado e ele se sentiu um pouco como engasgos. Ele viu seus irmãos fingindo que não estavam com ele. Ele viu a vergonha de seu pai. Se Anthony pudesse ter explicado, ele teria dito a seus pais que ele tinha que obedecer à compulsão. Não importava que artrite reumatóide mandíbula e dor de ouvido a areia era grossa em sua boca ou que ele parecia um estranho estranho para os estranhos que estavam olhando com tanta curiosidade. Seu corpo ordenou que ele comesse areia, então ele comeu areia.

Seus atos impulsivos eram como um lagarto pendurado em uma pedra e sem pensar em emboscar o grilo que passava. Como o lagarto, Anthony vivia com ações impulsivas governadas por seu cérebro primitivo, mas, ao contrário do lagarto, muitas vezes não eram funcionais. Um lagarto come seu grilo para sobreviver. Os impulsos de Anthony, como arrancar pétalas de flores ou comer sobras de restos de estranhos que ele encontrava nas mesas da praça de alimentação do shopping ou colocar areia ou algas marinhas em sua boca, pareciam idiotas, prejudiciais ou simplesmente estranhas. Mas ele não tinha meios para resistir a essas compulsões.

“Não é bom, Anthony”, disse seu pai. Ele pegou Anthony pela mão para jogar nas ondas. Gary pegou a outra mão do pai. A areia úmida desapareceu sob os pés de Anthony. Anthony saltou para cima e para baixo na ponta dos pés e balançou os braços no ar, animado. Os três são artrite uma deficiência uk deles saltou sobre as ondas que se aproximam mais e mais. Finalmente, Anthony caiu para a frente e levou a mão ao ombro para dentro da areia macia e lamacenta. Não havia como parar a si mesmo. Ele colocou um punhado na boca. “Eu não aguento mais isso”, murmurou o pai de Anthony. Ele trouxe Anthony e Gary de volta para a toalha. “Ele fez isso de novo”, disse ele à mãe de Anthony.

“Ele tem autismo”, gritou o pai de Anthony aos estranhos que olhavam. Eles viraram a cabeça, envergonhados por serem notados. “Tudo bem, vamos brincar de bola”, ele gritou para Gary e Mark, “e talvez”, ele sugeriu para Anthony e sua mãe, “vocês dois podem ficar aqui na toalha”. A mãe de Anthony lhe deu um lanche. Ela derramou areia nas pernas dele e cavou buracos na areia com ele. Ele começou a se acalmar por dentro. Sua mãe cantou para ele e ele se aconchegou ao lado dela. Então ela pegou Anthony pela mão e eles foram dar uma volta pela praia. Ele sentiu a artrite reumatóide aveludada em areia árabe sob seus pés espremer-se entre os dedos dos pés a cada passo. Ele se sentia salgado e úmido. Ele estava feliz. Quando voltaram para a toalha, depois de uma longa caminhada, a torre de Gary estava em forma de balde, feita pela inversão da areia úmida em um edifício de várias camadas.