Revisão dos desenhos animados – cyberverso – clube dos transformadores de ozformers de austrália (otca.com.au) centro da artrite de lexington

Storywise … Não há muito a sair. Há potencial para ser bom, mas até agora é tudo envolto em mistério. Mas acho que o verdadeiro problema que tenho com a história é a falta de engajamento inicial. É atualmente a história de um amnésico e seu amigo em busca de uma macguina cósmica, enquanto o amnésico está lutando para lembrar o que é o macguffin. É claramente 1D20 e ele rolou uma série de 1s naturais há algum tempo. Mistério é legal e tudo, mas eu sinto que há muito mistério – especialmente considerando que estes são como mini-eps de 10 minutos. Não há nada terrivelmente convincente para me fazer me importar com os personagens ou investir na história nesse estágio – mas o episódio piloto é onde fazer o público se envolver é o ponto mais crucial.

Os primeiros membros precisam persuadir o público a continuar assistindo, ou você se arrisca a puxar itens colecionáveis ​​voldemort e impedir as pessoas de voltarem para você. Porque agora eu ainda estou esperando por esta série para me dar uma razão para me importar.

A maioria das outras séries de TF estabelece isso mesmo no nível básico de ter humanos por perto e apresentar os decepticons como uma ameaça iminente à humanidade. O público é persuadido a continuar assistindo a episódios futuros para ver como a luta dos autobots para defender a terra e seu povo contra os enganos será revelada. O primeiro episódio do primeiro transformador soltou uma enorme bomba matando o cliffjumper! A prima do TF fez a mínima certeza de que o público achava que aquela era uma guerra consequente. E eles evitaram o tropo de ressuscitar cliffjumper – se alguma coisa, eles jogaram bem contra isso por ter seu cadáver sendo reanimado como um zumbi. O G1 fez a mesma coisa, apresentando-nos os espíritos e a recente série RID também fez algo similar com as argilas e outros humanos locais. Poxa, até mesmo os bayformers conseguem fazer isso. TF1 e AOE foram os autobots que tentaram impedir a ascensão dos decepticons, e ROTF, DOTM e TLK lidaram com eventos que abalaram a terra. Os Bayformers apresentavam complicações no enredo que tinham algum elemento de uma ameaça iminente – tudo bem, a execução de como a história veio para resolver esses pontos da trama não foi a maior, mas os pontos da trama ainda estavam lá. Talvez o próximo eps torne a ameaça iminente mais clara, mas estamos com 3 episódios e eu ainda não estou convencido a investir emocionalmente nessa história. : /

Guerras de feras conseguiram apresentar ameaças iminentes sem envolver seres humanos até o final da 2ª temporada. Então eles não precisam ter humanos na história, mas precisa haver algum tipo de ímpeto claro que o público possa perceber para se preocupar com o que esses personagens estão fazendo. Apesar de estar definido no que hoje em dia é presumidamente a terra moderna, pode-se supor que os humanos modernos estão por perto. A menos que o zangão e os outros estejam apenas perambulando em seus modos cibertronianos e isto é a terra no passado distante ou futuro (ou seja, pré ou pós-civilização humana). Porque vemos o zangão se transformando no mesmo tipo de carro em flashbacks no cybertron. Provavelmente pós-humanidade, já que ele tem amostras de voz de rádio – a menos que sejam transmissões arquivadas do cybertron. Não é como bayformers onde ele está usando diálogos reais de filmes conhecidos, shows etc. E claramente está sintonizado na mesma estação com o mesmo DJ o tempo todo.

Animação: na verdade bem executada. Note que eu estou falando puramente sobre a animação aqui, não os desenhos de arte ou estilo. Mas eu não notei nenhum erro técnico gritante, ao contrário dos primeiros episódios de G1, onde os personagens freqüentemente trocavam as paletas de cores (mas isso também significa que o cliffjumper amarelo aparece na parte 1 do MTMTE e em outros eps!). Eu não acho que a animação é excepcional – parece uma animação em flash de alto orçamento. Uma coisa que eu não gosto sobre a animação é como todo mundo tem apenas 3 dedos. Esta é uma decisão de animação, e não uma decisão de arte, porque os animadores desenham ou usam modelos com três dedos, porque é mais barato para animar. É por isso que hanna-barbera tão notoriamente a usou. Mainframe fez isso para personagens como rhinox, mas ele era uma raridade – a maioria dos BW tinha 5 dígitos em suas mãos. A falta de detalhes sobre os próprios personagens pode ser uma escolha artística, mas remover os mindinhos é uma decisão de custo. Parece literalmente barato.

Arte: sim, não. Não gosto disso. E eu admito que é totalmente subjetivo. Não há nada de intrinsecamente errado com eles terem projetos detalhados de luz ou olhares muito caricaturais. Mas você sabe, a estética de design padrão para transformadores é a aparência mecha japonesa. É no que o G1 se baseou e se tornou a métrica para projetos de transformadores, e sempre que uma série de TF se desvia disso, isso desencadeia nossos vieses de confirmação e nos faz inicialmente não gostar dele. Mas se a história é boa, e também se os brinquedos são bons, podemos rapidamente ignorar isso. Veja o que aconteceu com as guerras de animais. Muitas pessoas inicialmente hesitaram porque era uma partida tão distante da estética mecha japonesa do G1 e do G2. Mas a qualidade dos brinquedos e do show logo conquistou os fãs. Os brinquedos não conseguiram me conquistar e ainda estou indeciso sobre o show.